O Ovo de Ouro Falso (1965)

“Um dos mais bonitos e surpreendentes espetáculos que tenhamos vistos nos últimos meses, e que foi o espetáculo de fantoches intitulado O Ovo de Ouro Falso. … A maestria técnica no manejo dos bonecos da qual resulta uma impressionante ilusão de vida, e o extraordinário bom gosto e cuidado da produção, caracteriza por uma pureza de concepção estilística como raramente se vê no teatro de verdade, … O valor artístico e educativo do trabalho que eles realizam deixa nitidamente para trás tudo que temos visto ultimamente em matéria de teatro infantil, com a única e evidente exceção do Tablado. Quanto aos bonecos Laurinho, Lili, Fada, Bruxa e Galinha, estes poderiam ser contratados, nas nossas escolas de arte dramática: conhecemos muitos atores mesmo profissionais que teriam a aprender com estes simpáticos professores.”

Yan Michalski , crítico de teatro

 

FICHA TÉCNICA  

AUTOR   Pedro Touron
DIREÇÃO
E CENÁRIOS
  Ilo Krugli
BONECOS
E FIGURINOS
  Pedro Touron
DIREÇÃO MUSICAL   Cecilia Conde
CONJUNTO MUSICAL   Vitor Assis Brasil, Sogildo Silva, Ana Maria Silva, Silvia Aderne e Cecilia Conde.
FOTOGRAFIA   David Uzurpator
PRODUÇÃO   Teatro de Bonecos de Ilo e Pedro
TEMPORADA   Estreia: 20/11/1965 [data provável]
Teatro de Marionetes do Parque do Flamengo (RJ)

Outras temporadas:
1967 – Teatro Princesa Isabel (RJ)
1967 – Teatro Pax (RJ)
1969 – Teatro Arreliquim (RJ)
ELENCO   Ilo Krugli
Pedro Touron
Vicente Rocha
Silvia Aderne

 

A Parábola da Megera Indomável (1968)

“Outra inovação, sem dúvida uma das mais criativas e de maior impacto, é a linguagem sonora criada por Cecilia Conde. Não se pode falar, propriamente, em música, embora a trilha comporte algumas músicas deliciosas – um iê-iê-iê, um maxixe, um hino litúrgico; mas a parte mais interessante da pesquisa sonora é constituída por uma variadíssima série de ruídos, abstratos ou concretos, praticamente todos eles (com exceção de uma gravação ampliada de batidas cardíacas) produzidas pelos próprios intérpretes, com a boca, os pés, as mãos. Contribuindo decisivamente para a criação do clima ritual pretendido pelo diretor, a ambientação sonora assume a importância de uma autêntica respiração do espetáculo – uma respiração agitada, nervosa, perturbada e perturbadora”.

YAN MICHALSKI
Jornal do Brasil
(26/09/1968)

FICHA TÉCNICA

AUTOR   Paulo Afonso Grisolli  | Adaptação de “A Megera Domada”, de Shakespeare
DIREÇÃO   Paulo Afonso Grisolli
CENOGRAFIA   Joel de Carvalho
ASSESSÓRIOS
DE VESTUÁRIO
  Marina Colasanti
PESQUISA SONORA   Cecilia Conde
PREPARAÇÃO CORPORAL   Nelly Laport
DINÂMICA CORPORAL   Sandra Dieken
COODERNAÇÃO
DE PRODUÇÃO
  João Rui Medeiros
PRODUTOR   Francisco Augusto Correia
PRODUÇÃO   A Comunidade
TEMPORADA   Estreia:16/09/1968
Museu de Arte Moderna(RJ)
ELENCO   Paulo Afonso Grisolli …Bufão

Carmen Silvia Murgel …Tibúrcio

Norma Dumar …Ignez

Cecilia Figueiredo …Ignez

DuseNacaratti …Ignez

Conceição Tavares …Ignez

Rubens Araújo …Tibúrcio

Pedro Jorge da Cunha …Tibúrcio

Hélio Guerra …Tibúrcio

João Siqueira …Gastão

Edgar Sanchez …Gastão

Marcelo Costa …Acólito

 

 

 

COmentários

 

 

HIPÓLITO (1968)

“Com este seu terceiro trabalho para o teatro, Cecília Conde dá prosseguimento à sua tarefa de renovação da linguagem musical aplicada ao teatro declamado. Mais uma vez, estamos diante de um fascinante conjunto de experiências sonoras, que impressionam pela sua originalidade e pela sua exuberante imaginação. Do ponto de vista da pesquisa sonora propriamente dita, creio que Cecilia Conde foi desta vez ainda mais longe do que nas realizações anteriores, mas do ponto de vista dramático a sua trilha me impressionou um pouco menos: uma certa falta de noção de dosagem, traduzida por uma insuficiente valorização desse magnífico recurso dramático que é o silêncio, dilui, às vezes, o impacto da sua contribuição, e em certas cenas o fundo sonoro não consegue entrosar-se harmoniosamente com a ação, chegando até a sobrepor-se a ela, em vez de limitar-se a sublinhá-la. No balanço geral, porém, a moldura sonora de Cecilia Conde constitui um dos elementos mais interessantes de Hipólito”.

YAN MICHALSKI
Jornal do Brasil
(27/12/1968)

FICHA TÉCNICA 

autor   Eurípedes  | Tradução e Adaptação: Tite de Lemos
direção   Tite de Lemos
CENÁRIOS
E FIGURINOS
  Marcos Flaksman
ADEREÇOS   Leo Leoni
ASSISTENTE
DE CENOGRAFIA
  Carlos Alexandre Paiva
DINÂmica
corporal
  Klauss Vianna
EFEITOS SONOROS
E CORO
  Cecilia Conde
PRODUTOR   Max Gonçalves
PRODUTOR
EXECUTIVO
  Ademir Ferreira
PRODUÇÃO   Teatro Artes Produção LTDA.
TEMPORADA   Estreia:13/12/1968
Teatro Nacional de Comédia(RJ)
ELENCO   Tetê Medina …Fedra

Fernando de Almeida …Hipólito

Maria Francisca …ama

Ivan Cândido …Teseu

Camaleão na Lua (1969)

“Um dos pontos altos de Camaleão na Lua é, indiscutivelmente, a trilha sonora de Cecilia Conde. É neste fundo sonoro, mais talvez do que em qualquer ouitro aspecto do espetáculo, que podemos encontrar, plenamente realizadas e harmoniosamente conciliadas, as potencialidades de comentário satírico e de emoção estética que esperávamos de uma viagem à Lua via Tablado.”

YAN MICHALSKI
Jornal do Brasil (RJ)
22/05/1969

FICHA TÉCNICA

AUTOR   Maria Clara Machado
DIREÇÃO   Maria Clara Machado  |  Assistente de Direção: Roberto Vaz de Mello
CENÁRIOS
E FIGURINOS
  Marie Louise Nery
MÚSICA   Cecilia Conde
CARTAZ   João Coimbra
CONTRARREGRA   Silvia Fucs, Marilia Boabaid e Ana Maria Moreira
ILUMINAÇÃO   Jorginho de Carvalho
SONOPLASTIA   Silvia Fucs
PRODUÇÃO   O Tablado
TEMPORADA   Estreia:18/05/1969
Teatro O Tablado(RJ)
ELENCO   Ramon Pallut …Camaleão

Jack Philosophe …Picpic

Ronaldo Fucs …vovô

Ada Chaseliov …Lúcia

Hamilton Vaz Pereira …Maneco

Jomar Sarkis …Gaspar

Renê Reis Braga …Simeão

Ana Maria Ribeiro …Floripedes

Roberto Frota …Alu

Paschoal Villaboim …Belu

Diana Franco …Mamalua

Silvia Fucs …intéprete

(substituição)

Ana Maria Moreira …Mamalua

 

PLUFT, O FANTASMINHA(1969)

“A sonoplastia é que foi enriquecida por Cecilia Conde, com a felicidade, com que essa artista habitualmente realiza seus trabalhos”.

HENRIQUE OSCAR
Diário de Notícias (RJ)
31/08/1969

 

FICHA TÉCNICA

AUTOR   Maria Clara Machado
DIREÇÃO   Maria Clara Machado
CENOGRAFIA   Marie Louise Nery
FIGURINOS   Kalma Murtinho
MÚSICA   Cecilia Conde
PRODUÇÃO   Teatro Ipanema
TEMPORADA   Estreia:24/08/1969
Teatro Ipanema
ELENCO   Lucia Marina Acioli …Pluft

Mônica Laport …Mãe Fantasma

Reinaldo André …Tio Gerúndio

Francisco Dreux …Marinheiro Perna-de-Pau

Rita Moscovici …Maribel

Alfredo de Freitas …Sebastião

Ricardo Filgueiras    …João

Lionel Fischer    …Julião

O ARQUITETO E O IMPERADOR DA ASSÍRIA(1970)

FICHA TÉCNICA

O ARQUITETO E O IMPERADOR DA ASSÍRIA(1970)
EL ARQUITECTO Y EL EMPERADOR DE ASIRIA

autor   Fernando Arrabal  |Tradução: Amir Haddad
direção   Ivan de Albuquerque
CENOGRAFIA   Arlindo Rodrigues
MÚSICA   Cecilia Conde
PRODUÇÃO   Teatro Ipanema
TEMPORADA   Estreia:05/1970
Teatro Ipanema(RJ)
ELENCO   Rubens Corrêa

José Wilker

HOJE É DIA DE ROCK(1971)

“A música de Cecilia Conde também é decisiva para o rendimento a que o espetáculo alcança. Ela tirou todo o efeito de melodias de mais do que testado, como o admirável hino “Veni Creator” ou o canto “Coração Santos”, mas alcança igualmente resultados de muita felicidade com músicas que aparecem como se fossem sendo improvisadas pelos intérpretes, como no momento da evocação das gaivotas”.

HENRIQUE OSCAR
Diário de Notícias, RJ
04/11/1971

 

FICHA TÉCNICA

HOJE É DIA DE ROCK(1971)
HOJE É DIA DE ROCK

autor   José Vicente
direção   Rubens Corrêa
CENÁRIOS
E FIGURINOS
  Luiz Carlos Ripper
MÚSICA   Cecilia Conde
PRODUÇÃO   Eduardo Requião
TEMPORADA   Estreia:1971
Teatro Ipanema(RJ)
ELENCO   Rubens Corrêa

Isabel Ribeiro

Renato Coutinho

Isabel Câmara

Nildo Parente

Ivan de Albuquerque

Leyla Ribeiro

Thaia Peres

Caca Versiani

Ivone Hoffman

Paulo César Coutinho

Arthur Silveira

Paulo César Oliveira

Dudu Continentino

Alexandre Lambert

A China é azul (1972)

FICHA TÉCNICA 

autor   José Wilker
direção   Rubens Corrêa
CENÁRIOS
E FIGURINOS
  Luiz Carlos Ripper
MÚSICA   Cecilia Conde
EXPRESSÃO
CORPORAL
  Angel Vianna
Produção   Teatro Ipanema
TEMPORADA   Estreia:12/11/1972
Teatro Ipanema (RJ)
ELENCO   José Wilker

Rubens Corrêa

Tetê Medina

Louvação – 1974

Cantos religiosos e profanos da cultura popular brasileira, recolhidos pela Cecília e pelo intérprete e pesquisador Fernando Lébeis.Músicas cantadas por quatro vozes, acompanhadas de instrumentos acústicos: Cecília, Fernando .Lébeis, Lourenço Baeta, David Tygel.Cecilia Conde – Cantora, pesquisadora e diretora musical espetáculo.

NAU CATARINETA – BARCA DO POVO (1975)

FICHA TÉCNICA 

NAU CATARINETA – BARCA DO POVO(1975)
NAU CATARINETA – BARCA DO POVO

autor   Paulo Afonso Grisolli
direção   Paulo Afonso Grisolli
CENÁRIOS, FIGURINOS
E OBJETOS CÊNICOS
  Luiz Carlos Ripper
CANTO e
PESQUISA SONORA
  Cecilia Conde
AMBIENTAçÃO
SONORA
  Cecilia Conde
FIGURINO   Maria Luiza de Sousa
CANTO, VIOLÃO
E PESQUISA SONORA
  Fernando Lébeis, Caique Botkay, Lourenço Baeta e David Tygel
DIREÇÃO,
Corpo espaço
  Klauss Vianna
CARTAZ
E PROGRAMA
  José Altino
TEMPORADA   Estreia:1976
Sala Cecília Meirelles(RJ)
ELENCO   Cecilia Conde

Fernando Lébeis

Caique Botkay

David Tygel

Lourenço Baeta